A atuação de profissionais capacitados para a recuperação dos tecidos envolvidos em cirurgias plásticas ou reparadoras é imprescindível para a recuperação física e psicológica dos pacientes submetidos a tais intervenções.

Cirurgia plástica é coisa séria, e, portanto, além da procura por profissionais médicos, que estejam capacitados e certificados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – SBCP, é necessário que os profissionais, que estejam CAPACITADOS E CERTIFICADOS, façam o atendimento no pós-operatório, o que garantirá o sucesso da intervenção e a minimização das possíveis intercorrências, como as alterações cicatriciais e deiscências.

A técnica manual, mais utilizada e com muito sucesso, usada para diminuir os edemas pós-cirúrgicos, é a Drenagem Linfática Manual, que chegou ao Brasil em 1969, pelas mãos de Wadtraud Ritter Winter, uma Esteticista austríaca, naturalizada no Brasil. Conta Wadtraud, em um dos seus livros, que teve muito trabalho para convencer os médicos, de que a técnica, apesar de relativamente simples, era eficaz no tratamento de edemas e linfedemas.
Além dessa técnica, manipulações cicatriciais e equipamentos como ultrasom, microcorrentes, laser de baixa potência, entre outros, são utilizados na recuperação tecidual com grande sucesso, acelerando a recuperação do paciente.

 

A Estética e Cosmética, foi introduzida no Brasil no ano de 1954. Naquela época, nenhuma outra profissão usava o termo estética para definir ou basear algumas de suas atividades laborais. Com o entendimento de que o lado estético do ser humano, produz saúde, já que a autoestima e o bem-estar, são imprescindíveis até para aumentar a imunidade e sendo esse também a definição ampla do termo saúde, pela Organização Mundial de Saúde, como um completo bem-estar físico, social, espiritual e mental do indivíduo, a fisioterapia, representada pelo casal Guirro, resolve, em 1999, criar a fisioterapia estética, que no ano de 2000 passou a ser chamada de “dermatofuncional”.

 

Vale ressaltar, que na graduação de fisioterapia, não estão contempladas matérias que habilitem o fisioterapeuta a atuar em estética, ficando como opção uma pós de 360 horas, com módulos de 20 horas, para que os profissionais atuem em “dermatofuncional” e, por isso, muitos desses profissionais procuram os esteticistas para complementarem o seu aprendizado e se sentirem seguros para atuar.

Portanto o Sindestetic RJ, alerta a ABRAFIDEF:

– O tratamento do pós-operatório, está contemplado nos Recursos de Atividades, nos itens 15 e 16 da Classificação Brasileira de Ocupações do Ministério do Trabalho e Emprego – CBO nº 3221 dos Tecnólogos e Técnicos das Terapias Complementares e Estéticas; Item 15 – Aplicar procedimentos em pré e pós-cirúrgicos; Item 16 – Aplicar técnicas de eletroterapia (pré e pós-cirúrgica, […]);

– O tratamento da recuperação tecidual em pós-cirurgias plástica, NÃO DEVE SER REALIZADO APENAS pelo profissional de fisioterapeuta, a fim de possibilitar a reabilitação funcional adequada para este paciente, e sim POR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, COMO OS ESTETICISTAS QUE ATUAM NESTA ÁREA, muito antes da criação do chamado “dermatofuncional”, onde muitos destes, vem aprendendo com ESTETICISTAS;

– Os esteticistas utilizam sim tratamentos no pós-operatório, também utilizados nos TRATAMENTOS ESTÉTICOS, mas com técnicas de aplicação específicas, diferenciadas e adequadas as condições dos tecidos envolvidos na intervenção, não é o termo ESTÉTICA que irá fazer com que os procedimentos causem danos, mas sim o CONHECIMENTO (TEORIA) e a CAPACIDADE (PRATICA) para atuar neste seguimento;

 

– ESTÉTICA É COISA SÉRIA, se assim não fosse a fisioterapia e outras profissões não estariam migrando para a ESTÉTICA e formando ESTETICISTAS em suas pós-graduações.

O crescente número de insatisfações com os resultados de cirurgias plásticas estéticas devido à tratamentos pós-operatórios mal conduzidos é preocupante.

 

O SINDESTETIC RJ orienta aos cirurgiões plásticos que indiquem PROFISSIONAIS CAPACITADOS para o tratamento de seus pacientes a fim de alcançar um resultado satisfatório tanto do ponto de vista estético, como funcional.

 

CIRURGIA PLÁSTICA É COM CIRURGIÃO PLÁSTICO E PÓS-OPERATÓRIO É COM PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SEJAM ELES ESTETICISTAS OU FISIOTERAPEUTAS OU ENFERMEIROS.

 
Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2014

 Profª Msc Rosaline Kelly Gomes
Presidente Sindestetic RJ